Assistência de Enfermagem em UTINeo


16/01/2016

Prof.ª Patrícia/Suely

Disciplina: Assistência de Enfermagem em UTI Neo

Tema:

Anomalias do Trato Geniturinário:

  • Rim policístico;
  • Agenesia renal;
  • Genitália ambígua;
  • Hipospádia;
  • Extrofia de bexiga;
  • IRA;
  • Diálise;

Anomalias do Sistema Nervoso Central:

  • Meningomielocele;
  • Anencefalia;
  • Microcefalia;
  • Encefalocele;
  • Hidrocefalia congênita;
  • V.P.;
  • I.C.;
  • Síndromes convulsivas.

 

TRATO GENITURINÁRIO:

  • Adrenal: Sistema endócrino
  • Função: sintetizar hormônios como: aldosterona, cortisol, hormônios sexuais como testosterona, adrenalina e noradrenalina.
  • Rim: órgão par – Funções básicas: filtrar e excretar produtos metabólicos e toxinas regulares o equilíbrio de fluídos e eletrólitos, equilíbrio ácido-base, metabolismo de Ca e controle de PA.
  • Ureter: musculatura lisa encarregado de levar urina para a bexiga.
  • Bexiga: Possui três camadas de músculos: destrussor da bexiga, musculatura lisa no esfíncter interno e fibras estriadas no esfíncter interno.
  • Uretra: Conduto membranoso pela qual a urina é expelida. A uretra masculina é maior que a feminina e é dividida em três partes: prostática membranosa e esponjosa.

 

DESENVOLVIMENTO RINS

No embrião:

  • PRONEFRO – Rudimentar e não funcional (início 4ª semana)
  • MESONEFRO – bem desenvolvido (FIM DA 4ª SEMANA)
  • METANEFRO – Rins permanentes (Início 5ª semana e funcionamento 4 semanas depois)

 

ANOMALIA GENITURINÁRIA:

  • 20 – 30% dos achados USG fetal (Isfer, 1996).
  • Dificilmente associada a fatores extrínsecos como agentes teratogênicos ou infecciosos;
  • Origem multifatorial;
  • Mais frequente no sexo masculino.

 

Anomalias do trato urinário superior:

  • Anomalia de número
  • Anomalia de volume
  • Anomalia de forma e fusão
  • Anomalia de ascensão
  • Anomalia de rotação
  • Anomalias vasculares
  • Anomalia do sistema coletor
  • Anomalia da uretra

 

Anomalia de número – Agenesia renal

 

Unilateral

Mais frequente

1:1000 nascimentos

Sexo masculino

Lado esquerdo

Tendência familiar

Avaliar genitais

Bilateral

1:3000 nascimentos

Achado USG PN

Oligodrâmnio severo

Incompatível com a vida

Aspecto fetal (POTTER)

75% sexo masculino

 

 

Agenesia renal

Anomalia de numero rins supranumerários

  • Dois brotos ureterais;
  • Dois normais e um menor;
  • Separados ou aderido ao normal;
  • Predomínio à esquerda;
  • Masculino = feminino;
  • Abaixo do rim dominante;
  • Dor, febre, massa palpável.

 

RINS SUPRANUMERÁRIOS

FUSÃO:

  • Em panqueca: Massa única, Aspecto achatado, Ureteres curtos, Sistema coletor anteriorizado,
  • Irrigação sanguínea anômala.
  • Em ferradura: Fusão dos polos inferiores, Síndrome de Turner, TU de Wilms, sem Sintomas, Massa palpável em linha média.
  • Em sigmoide: Segunda anomalia mais frequente; Ocorre fusão má rotação em seus eixos verticais.

 

MIGRAÇÃO:

Ectopia Renal Simples

  • Fora da loja renal
  • Pélvica, ilíaca, abdominal, etc.
  • 1:900 nascimento
  • Lado esquerdo
  • Maior incidência de agenesia contralateral

 

Doenças renais císticas

GENÉTICA

  • Doença renal policística autossômica recessiva (DRPAR)
  • Doença renal policística autossômica dominante (DRPAD) mais comum
  • Doença glomerulocística
  • Displasia medular cística associada a síndrome

 

S/ TRANS. GENÉTICA

Doença renal multicística displásica

  • Displasia cística obstrutiva
  • Cisto simples
  • Cisto multilocular

 

O prognóstico destas doenças renais no feto está relacionado com a lateralidade do acometimento, a existência ou não de oligoâmnio, a presença de displasia renal e a associação com outras malformações extrarrenais, que consequentemente trarão um desfecho desfavorável a este feto. (Santos, 1998/Macedo, 2003)

50% dos RNs morrem por hipoplasia pulmonar em virtude de oligodrâmnio

80% dos bebes que sobrevivem 33% desenvolve doença renal terminal

Apresentam rins palpáveis com massas abdominais bilaterais

Deteriorização da função tubular e acidose metabólica

Redução da concentração da urina

Hipertensão

 

DIAGNÓSTICO

  • Pré-natal – USG fetal
  • Pós-natal – USG e exame clínico

 

TRATAMENTO

  • Não há tratamento específico
  • Suporte de ventilação mecânica
  • Diálise

 

RINS POLICÍSTICOS

 

GENITÁLIA AMBÍGUA: EMERGÊNCIA PEDIÁTRICA

  • Hiperplasia adrenal congênita
  • Síndromes mal formativas
  • Risco biopsicossocial

 

HERMAFRODITISMO VERDADEIRO

  • Presença de tecido testicular e ovariano
  • Mais comum é ovário de um lado e testículo do outro
  • Pode não haver ambiguidade de genitália externa

 

DISGENESIA GONODAL MISTA

  • Ambiguidade genitália externa;
  • Cariótipo mais frequente 45, XY e 46, XY.

 

HOMEM XX

  • Sexo genético 46, XX;
  • Desenvolve testículo com produção de testosterona
  • Virilização da genitália externa
  • 1/5 dos acometidos desenvolve genitália ambígua (pseudo-hermafroditismo masculino)
  • Infertilidade

 

PSEDOHERMAFRODITISMO MASCULINO (PHM)

  • Cariótipo 46, XY
  • Testículo bilateral
  • Ambiguidade de órgãos externos

 

PSEDOHEMAFRODITISMO FEMININO (PHF)

  • Cariótipo 46, XX
  • Genitália externa ambígua
  • Presença de ovário
  • Hiperplasia congênita de suprarrenais.

 

DIAGNÓSTICO

  • Cariótipo
  • Biópsia de gônadas
  • Anamnese:
  • Ingestão materna de drogas virilizantes ou feminilizantes entre 8ª e 12ª sem gestação
  • Casos na família – mortes inexplicadas por desidratação
  • Pais consanguíneos – > probabilidade de hiperplasia adrenal congênita
  • Doença virilizante materna

 

TRATAMENTO

  • Cirúrgico
  • Hormonal
  • Opção sexo – dependendo da estrutura anatômica e idade
  • Acompanhamento psicológico paciente e família

 

HIPOSPÁDIA

  • Anomalia congênita comum
  • Associação de 3 anomalias:
  • Abertura ventral anômala do meato uretral (sempre presente)
  • Curvatura ventral anômala do pênis
  • Distribuição anormal do prepúcio
  • Circunferência ventral do pênis incompleta = uretra incompleta
  • Incidência 1:250 – 1:500

 

CLASSIFICAÇÃO

  • DISTAL

Uretra termina próximo a extremidade (50%)

  • PENIANA

Uretra termina no meio do pênis (30 %)

  • PROXIMAL

Uretra termina na base do pênis (20%)

 

CAUSAS:

FATORES ENDÓCRINOS

  • Reprodução in vitro – 5 x mais que gestação espontânea (administração materna de progesterona?)
  • Deficiência da enzima 5-alfa redutase ou deficiência receptores hormonal a nível celular do pênis

FATORES GENÉTICOS

  • Síndrome Reifenstein

FATORES AMBIENTAIS

  • Contato materno com substâncias que contém estrógenos, pesticidas e fungicidas.

 

DIAGNÓSTICO

  • Exame Físico
  • Anamnese
  • Presença de testículo na bolsa (Criptorquidia – investigar pseudo-hermafroditismo)
  • Presença de curvatura

 

TRATAMENTO

  • CIRÚRGICO (6 a 18 meses)
  • Não realizar circuncisão

COMPLICAÇÕES CIRÚRGICAS

  • Infecção
  • Sangramento/ hematoma
  • Fístula
  • Estenose
  • Divertículos uretrais

 

HIPOSPÁDIA FEMININA

  • Má formação onde o óstio da uretra tem abertura na parede anterior da vagina
  • Raramente diagnosticada na infância
  • Diagnóstico normalmente é feito por pesquisa de ITU de repetição
  • Em raros casos pode haver agenesia de uretra. O colo vesical se abre diretamente na vagina = incontinência

 

EXTROFIA DE BEXIGA

  • Fechamento incompleto da parte inferior da parede abdominal anterior.
  • Não ocorre migração células mesenquimais entre ectoderma e a cloaca que leva deficiência músculo oblíquo e transverso abdominal, ausência de músculos retais.
  • Pode haver ruptura da bexiga, divisão pênis e escroto.
  • A bexiga e a uretra ficam fora da cavidade abdominal. Uretra e genitália não são formados completamente. Ossos da pelve são separados (diástases)
  • 1960 – Primeiro caso de sobrevida

 

EXTROFIA DE CLOACA

Pode estar associada a outras más formações:

Complexo de OEIS

  • O – onfalocele
  • E – extrofia de cloaca
  • I – ânus imperfurado
  • S – alteração da coluna vertebral

 

DIAGNÓSTICO PRÉ NATAL

  • USG – a imagem pode ser interpretada como onfalocele ou gastrosquise

CONSEQUÊNCIA

  • Incontinência e refluxo urinário
  • ITU de repetição
  • Marcha com rotação externa dos pés
  • Menor crescimento dos MMII

TRATAMENTO

  • Cirúrgico – Primeiros dias de vida. Objetivo preservar a função renal e reconstrução funcional
  • Extrofia de cloaca – ostomia
  • Avaliação do ortopedista – osteostomia pélvica com fixador
  • Vários tempos cirúrgicos
  • Mudança de sexo

 

MUDANÇA DE SEXO

  • Dependendo do acometimento a reconstrução do pênis pode não ser satisfatória do ponto de vista estético e funcional. Nesses casos a mudança de sexo pode ser uma alternativa
  • Deve ter o consenso dos pais ou responsáveis e esclarecimento de todas as dúvidas
  • Considerar: Androgênios e testosterona são secretados pelos testículos fetais a partir da 9ª e 10ª sem. gestação – Marcas no SNC.

LEGALIZAÇÃO MUDANÇA DE SEXO

  • Conselho Federal de Medicina – Resolução 1.664/03 – trata do direito da definição de sexo
  • Constituição 1998 art. 1º, inciso III e no art. 196 – intervenção mutiladora é lícita em razão de interação terapêutica.

 

CUIDADOS DE ENFERMAGEM

  • O grande desafio é manter a integridade dos órgãos expostos até a correção cirúrgica e evitar infecção;
  • Controle da dor (score)
  • Controle de diurese rigoroso
  • Cuidados com estoma (quando for realizado)
  • Cuidados com fixadores ortopédicos

Cuidados com a pele (úlcera de pressão) devido dificuldade de mudança de posição.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Eurico Gomes

Sobre ler e viver!

Linda Por opção

Portal com muitas dicas para você que escolheu ser linda!

Eurico Gomes

Sobre ler e viver!

Posso Dar Uma Dica?

Dicas para facilitar o dia a dia

The JetHead Blog

... the world from 40,000' at 500 mph.

Why? Because Science.

Combating Stupidity Since 2012

The PhotoBook

Commentary on photo books

101 Books

Reading my way through Time Magazine's 100 Greatest Novels since 1923 (plus Ulysses)

A year of reading the world

196 countries, countless stories...

Senda da Individuação

Por ☿ Deva Layo ☿ Terapeuta Tântrica ☿ Condutora de Percepções

Isaac Sabe!

Seja o Newton, o Asimov ou o seu Isaac da esquina.. ele sabe!

Herlufs-Blog

Min side om ting der sker her på Wordpress

MEU ESPAÇO, MINHA VIDA, TUDO MEU.

Só mais um site WordPress.com

Eurico Gomes

Sobre ler e viver!

Linda Por opção

Portal com muitas dicas para você que escolheu ser linda!

Eurico Gomes

Sobre ler e viver!

Posso Dar Uma Dica?

Dicas para facilitar o dia a dia

The JetHead Blog

... the world from 40,000' at 500 mph.

Why? Because Science.

Combating Stupidity Since 2012

The PhotoBook

Commentary on photo books

101 Books

Reading my way through Time Magazine's 100 Greatest Novels since 1923 (plus Ulysses)

A year of reading the world

196 countries, countless stories...

Senda da Individuação

Por ☿ Deva Layo ☿ Terapeuta Tântrica ☿ Condutora de Percepções

Isaac Sabe!

Seja o Newton, o Asimov ou o seu Isaac da esquina.. ele sabe!

Herlufs-Blog

Min side om ting der sker her på Wordpress

MEU ESPAÇO, MINHA VIDA, TUDO MEU.

Só mais um site WordPress.com

%d blogueiros gostam disto: